O enigma (parte 2 – resultados)

O primeiro postal chegou logo passados dois dias. Por obra do acaso estava na Suíça a visitar um dos amigos para quem tinha enviado um postal. Ele recebeu-o, achou-o estranho e perguntou-me imediatamente se tinha sido eu a envia-lo. Eu fiz a minha melhor cara de poker e disse com grande naturalidade que não, não tinha sido eu. Acho que ele não acreditou, tal como nunca ninguém acredita quando estou a bluffar no jogo, mas felizmente tive sucesso em mudar de conversa rapidamente.

Quando cheguei a casa verifiquei o meu correio e reparei que o meu postal tinha chegado. Enviar um postal para mim próprio tinha três fins:

  1. Controlar o tempo que os correios demorariam a enviar os postais
  2. Apoiar a minha história de que eu não tinha nada a ver com os postais (apesar de terem dizeres e selos alemães e o carimbo dos correios de Frankfurt)
  3. Salvar o sistema de correios alemão da bancarrota

Já na segunda-feira recebi uma mensagem da Mariana e do Viriato a dizerem que tinham recebido os postais. Eles perceberam imediatamente que eram um enigma e enviaram um mail a todos:

Que carago! Tal como já foi noticiado no Twitter, recebi um postal vindo da Alemanha – ou seja, do Cachapa ou do Aires – com um endereço do geocities, mas que o Yahoo diz não estar atribuído.

http://geocities.com/questao_1/a.html

Isto se contarmos que o ponto de interrogação é para ser substituído pela letra “a” que vem mais abaixo. De qualquer forma tentei os termos question, pergunta, mark, e answer, já que aquele podia ser o artigo indefinido para “a questão”, “a resposta” ou outra coisa qualquer, e mesmo assim nada.

Alguém me pode explicar o que é isto?

Depois de me esquivar e desviar as acusações para o Aires, disse que também tinha recebido um e passada alguma discussão sobre o significado dos postais, sugeri que todos tirassem uma foto do seu postal e a colocassem online, e enviei o meu. Em resposta, cada uma das pessoas que tinha recebido o seu postal enviou uma foto:

Na imagem acima só aparecem seis postais por uma boa razão: um dos meus amigos decidiu que tinha mais o que fazer do que participar no jogo, portanto não enviou a foto dele, e o postal do Ricardo tinha-se perdido algures no limbo dos correios internacionais, apesar dos meus esforços para salvar essa grande instituição.

Felizmente, esta situação estava já prevista durante a fase de planeamento e vingou a minha ideia de escrever uma palavra inteligível no endereço da página web. Inicialmente estava a ser difícil descodificar a palavra porque num dos postais a letra “q” foi confundida com um 9. Pior, a meio da fase de descobrimento fui descoberto pelo Ricardo:

Bom, eu não consegui resolver o puzzle para já, mas resolvi outra parte mais gira: analisei a caligrafia com amostras de postais e cenas que tenho cá por casa, e já sei com 100% de certeza quem o(a) autor(a) do puzzle :-)

Raios! Ok, era mais ou menos óbvio que tinha sido eu, até fiquei admirado de não terem desconfiado mais de mim, mas suponho que estavam mais preocupados com o enigma em si. Para além disso, o Ricardo não me entregou. Obrigado, Ricardo!

O tempo foi passando até que, exactamente uma semana depois de ter enviado os postais, o Milagaia descobriu a resposta:

Não sei quando fizeste anos mas, Parabéns Mariana.

E em seguida deu uma dica importantíssima:

epá, o postal do aires não é um 9 é um ‘q’;

Que iniciou uma avalanche de resoluções com sucesso, apesar de nem todos terem chegado lá.

Finalmente, passado quase exactamente um mês, o Ricardo recebeu finalmente o postal dele:

Ainda por cima o meu era logo aquele com a palavra «Matriz». Úuuuu.

E era mesmo. Apesar de tardio, foi bem vindo à festa.

No final de contas fiquei contente com o desafio, mas agora que posso olhar para trás, vejo algumas coisas que poderia mudar num desafio futuro. Em primeiro lugar a ideia de usar os correios tradicionais foi boa, mas abre a possibilidade da perda de correspondência, e torna mais difícil de iniciar uma discussão motivadora de resolução do problema. Na minha opinião, a motivação máxima para resolver estas coisas acontece no momento em que se recebe o postal com o enigma, mas visto que todos os receberam em dias diferentes, foi difícil de construir e manter aquele ponto crítico de vontade de resolver a coisa.

Outra coisa que aprendi é que fazer um enigma demasiado focado numa única especialidade (neste caso, a informática) colocou alguns dos participantes de fora, e foi demasiado fácil para os outros. Idealmente um enigma para um grupo heterogéneo de pessoas deveria ter uma mistura de várias especialidades que exigissem os conhecimentos de cada um. Este tipo de enigmas é, no entanto, mais difícil de construir por apenas uma pessoa, pelo que ainda não sei se poderia ter feito muito melhor nesta área.

Mas já chega de conversa, está na altura de olhar para os resultados.

Tempo de chegada do postal:

  • mais rápido: 2 dias
  • mais lento: 28 dias

Custos:

  • Postais: Gratuitos
  • 3 selos para a Alemanha (0,45€): 1,35€
  • 4 selos para Portugal (0,65€): 2,60€
  • 1 selo para a Suíça (0,65€): 0,65€
  • Total: 4,60€

Tempo até à resolução: 8 dias

E foi assim. Se alguém quiser pegar na tocha e continuar, não se esqueçam de mim. Pelo meu lado, quero repetir a experiência, daqui a uns tempos.

One thought on “O enigma (parte 2 – resultados)”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>