Olá, Rafael

Há muito tempo que não colocava uma posta neste blog.

Lamento — os meses de Dezembro e Janeiro foram stressantes e tive de desviar toda a minha inspiração literária para a produção de palha para um documento para a universidade.

As boas notícias é que agora estou com a produção em alta e, visto que o documento está entregue, posso reencaminha-la para aqui. Isso, e o facto de entretanto ter tido umas ideias porreiras para umas postas engraçadas (espero eu).

Já chega de desculpas e justificações. Estou a escrever para falar sobre o Rafael.

Sim, ele ainda está vivo. Muito vivo. Em grande forma! Ora vejam como ele cresceu desde o dia 8 de Julho:

comparacao_rafael

O meu Rafaelinho está a crescer. Se eu fosse um tipo mais emocional, teria duas lágrimas no canto do olho — como sou um homem duro, tenho apenas uma. E barba rija.

Mas que o Rafael estava a crescer já eu sabia. O que me surpreendeu foi um dia entrar no meu escritório e encontrar isto — apresento-vos o Teobaldo:

teobaldo

O Teobaldo parece ser um bambu.

Uh.

Como é que veio parar um rebento de bambu ao meu vaso? Rafael! O que é que tu não me estás a contar? Andas a dar escapadinhas à noite quando eu não estou cá para te envolveres com os bambus dos meus colegas? Ou será que foram os cactos? Nem sabia que isso era possível — um verdadeiro milagre da ciência!

Seja lá qual for a sua origem, o Teobaldo é mais que bem-vindo à família. Ok, agora tenho duas lágrimas no canto do olho. Raios.

A Família, essa que sofreu lá para finais de Dezembro um grave revés. Na última posta de Novembro tinha informado que os Joaquins originais estavam em sérias dificuldades, das quais nunca recuperaram. Apesar de no lugar deles terem aparecido dois outros, esses também sofreram o mesmo destino. Como agricultor estou mal, nem ervas daninhas consigo criar.

Felizmente, elas de uma maneira ou de outra vão passando o testemunho, como uma corrida de estafetas macabra. Aqui está o novo Joaquim, em excelente qualidade de imagem (a minha máquina fotográfica ficou sem bateria, esta foto foi o melhor que se pôde arranjar):

joaquim1

Finalmente, e para terminar uma nota positiva, regozijo-me em apresentar a evolução dos cactos. Aqui está o aspecto deles no dia 8 de Junho de 2008:

cactos

Ignorando o saudoso branquinho lá atrás -três lágrimas- é engraçado recordar a cabeça redonda do narigudo. Vejam a cabeça dele passados 8 meses:

cactos1

O tipo deve ter decidido fazer concorrência ao Rafael! O esforço do narigudo é louvável, mas repare-se no Teobaldo que vem lá atrás em grande velocidade — não sei se será possível fazer face ao novato cheio de energia juvenil.

Quem não está interessado em corridas é o outro cacto de aspecto standard — oito meses e continua do mesmo tamanho. Pelo menos sobrevive, o que já não é mau, considerando o historial do vaso em que ele se encontra.